Microsoft abre seu serviço de nuvem de computador quântico Azure ao público

O serviço Azure Quantum da Microsoft abriu ao público na segunda-feira, trazendo a tecnologia de computação radicalmente diferente para o segundo maior serviço de computação em nuvem do mundo.

O Azure Quantum inclui computadores quânticos feitos pela Honeywell e IonQ. Essas máquinas usam um design chamado armadilha de íons que emprega átomos eletricamente carregados como qubits, o elemento fundamental usado pelos computadores quânticos para armazenar e processar informações. A Microsoft planeja adicionar outro design da Quantum Circuits, cujos qubits são circuitos elétricos supercoolados, no futuro.

A Microsoft eventualmente adicionará seus próprios computadores quânticos ao serviço. Sua abordagem, chamada qubits topológicos, promete qubits mais estáveis do que os usados em projetos rivais e são projetados para permitir que os cálculos quânticos se dirijo por mais tempo. Ao contrário dos fabricantes de computadores quânticos rivais, a Microsoft ainda não demonstrou essa tecnologia.

A abertura do Azure Quantum marca o mais recente passo na comercialização da computação quântica, que promete resolver problemas que estão fora do alcance das máquinas convencionais. BMW,Airbus e Roche estão entre os que experimentam computadores quânticos, embora demorou anos até que seja prático para mais do que projetos de pesquisa.

“Precisamos de um computador quântico grande, escalável e confiável”, disse Krysta Svore, gerente geral da Microsoft Quantum.

Ainda assim, algumas aplicações comerciais estão em testes.

A BMW está vendo como a computação quântica pode encontrar a melhor combinação de fornecedores de autopeças e a ótima colocação de estações de carregamento de veículos elétricos. A computação quântica mantém a promessa para tarefas de engenharia molecular, como projetar novos processos químicos, drogas ou materiais. Svore espera que a computação quântica encontre um método de fixação de carbono mais eficiente, uma tecnologia que poderia avançar o esforço da Microsoft para combater as mudanças climáticas.

A Microsoft também está trabalhando em um chip controlador chamado Gooseberry para governar milhares de qubits, uma importante etapa de miniaturização. As máquinas de hoje só têm algumas dúzias de qubits no máximo, mas precisarão de milhões para enfrentar desafios reais da computação quântica. A Intel tem um chip rival de controlador quântico chamado Horse Ridge.

O Azure, o segundo serviço de computação em nuvem mais usado depois do Amazon Web Services e à frente do Google Cloud,não é o único serviço quântico baseado em nuvem. A Amazon tem Braket, o Google está fazendo o mesmo com seus computadores quânticos e a IBM foi a primeira com sua rede Q. Os serviços são cruciais para a computação quântica porque poucas empresas têm a expertise, hardware ou orçamento para executar computadores quânticos por conta própria.

Como outros serviços de computação em nuvem, o Azure Quantum usa preços pay-as-you-go,embora a primeira hora seja gratuita e o uso do desenvolvimento seja mais barato. Por enquanto, a Microsoft só oferece detalhes de preços para o ressarem quântico, um algoritmo quântico de propósito especial usado para tentar encontrar soluções ideais para problemas complexos.

Em uma curiosa reviravolta, os annealers quânticos de empresas como a D-Wave inspiraram melhorias em computadores clássicos que simulam as mesmas operações quânticas. A Microsoft oferece esse serviço no Azure Quantum, a um custo de US$ 500 por hora se você estiver executando uma simulação por mais de 1.000 horas.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.