EUA acusam hackers chineses de roubar pesquisas de vacinas COVID-19

O Departamento de Justiça dos EUA está acusando dois hackers chineses de que está ligado a ataques cibernéticos destinados a roubar segredos da empresa — inclusive contra pesquisadores que trabalham para desenvolver uma vacina contra coronavírus.

Em documentos judiciais divulgados na terça-feira, os EUA acusaram Li Xiaoyu e Dong Jiazhi, dois cidadãos chineses que supostamente hackearam em nome do governo chinês. A acusação diz que os supostos hackers pesquisaram vulnerabilidades nas redes de empresas de pesquisa conhecidas por trabalhar em vacinas COVID-19.

Antes da pandemia, os dois haviam sido responsáveis por hackear empresas, fabricantes de software de jogos e empresas farmacêuticas e de tecnologia para roubar seus segredos, diz a acusação. As vítimas estavam em países como EUA, Austrália, Bélgica, Alemanha, Japão, Reino Unido e Coreia do Sul. Os promotores disseram que os hackers roubavam segredos desde pelo menos setembro de 2009.

Xiaoyu e Jiazhi roubaram “centenas de milhões de dólares em segredos comerciais, propriedade intelectual e outras informações valiosas sobre negócios”, disseram os promotores. Os alvos também incluíam empreiteiros de defesa e informações relacionadas a programas militares de satélite.

“A escala e o escopo das atividades de hackers patrocinadas pelos serviços de inteligência da RPC contra os EUA e nossos parceiros internacionais é diferente de qualquer outra ameaça que estamos enfrentando hoje”, disse o vice-diretor do FBI David Bowdich em uma coletiva de imprensa na terça-feira.

Em maio, o FBI disse que estava investigando tentativas de hackers da China contra centros de pesquisa de vacinas COVID-19. A China não é o único país que quer obter vantagem na pandemia através de ataques cibernéticos. Autoridades do Reino Unido, Canadá e EUA também acusaram hackers russos de tentativas de roubar informações sobre uma vacina COVID-19.

Até o momento, houve mais de 14 milhões de casos confirmados de COVID-19 em todo o mundo, com 610.000 mortes. As taxas de infecção estão aumentando nos EUA, enquanto países que têm rigorosamente aplicado o distanciamento social e as políticas de máscaras faciais têm mostrado bons resultados para manter o surto no controle.

Pesquisadores de todo o mundo estão correndo para desenvolver uma vacina para a doença altamente infecciosa, e o primeiro país a liberar um provavelmente teria vantagens globais e financeiras para os próximos anos. Na terça-feira, uma equipe da Universidade de Oxford disse que tinha resultados promissores com seus testes de vacina contra coronavírus.

Os supostos hackers tinham como alvo uma empresa de biotecnologia de Maryland que estava pesquisando uma vacina para o COVID-19, bem como uma empresa de Massachusetts que estava trabalhando no desenvolvimento de tratamentos para a doença. Xiaoyu e Jiazhi também atacaram pesquisadores de tratamento COVID-19 em duas empresas da Califórnia em fevereiro e maio, disse William Hyslop, advogado dos EUA para o Distrito Oriental de Washington.

Embora a acusação não indique se os hackers obtiveram ou não alguma das pesquisas cruciais, ainda há preocupação de que mesmo uma tentativa de ataque cibernético possa afetar o desenvolvimento de vacinas. O procurador-geral adjunto de segurança nacional, John Demers, disse que os pesquisadores ainda precisariam garantir que os dados direcionados não fossem manipulados durante o processo.

“Estamos preocupados que o hacking ou mesmo a tentativa de hackear essas informações possam retardar a pesquisa”, disse Demers.

Além disso, os hackers ajudaram o governo chinês a espionar dissidentes chineses, incluindo um organizador em Hong Kong, um ex-manifestante da Praça Tiananmen e dois residentes canadenses que pressionaram pela libertação de Hong Kong.

Documentos judiciais mostram que os hackers chineses foram responsáveis por roubar terabytes de dados de empresas de tecnologia nos EUA, incluindo documentos relacionados a projetos com a Força Aérea dos EUA e o FBI.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.