Breaking News

Cientistas pedem limite de produção para acabar com poluição plástica

Cientistas pedem limite de produção para acabar com poluição plástica.

Agora, após a decisão histórica das Nações Unidas de adotar um tratado global para acabar com a poluição plástica no início deste ano, as negociações governamentais sobre o acordo devem começar em 30 de maio. Isso promoverá intensos debates sobre que tipo de medidas serão necessárias para acabar com a poluição do ar, solos, rios e oceanos com detritos plásticos e microplásticos.

Em uma carta à revista Science, um grupo internacional de cientistas e especialistas agora defende a abordagem do problema na fonte, regulando, limitando e, a longo prazo, eliminando gradualmente a produção de novos plásticos.

Reciclagem não é suficiente
“Mesmo se reciclássemos melhor e tentássemos gerenciar os resíduos o máximo possível, ainda liberaríamos mais de 17 milhões de toneladas de plástico por ano na natureza”, diz Melanie Bergmann, do Instituto Alemão Alfred-Wegener, iniciador da a carta. “Se a produção continuar crescendo cada vez mais, estaremos diante de uma verdadeira tarefa de Sísifo”, ​​acrescenta ela.

Uma pesquisa publicada na Science em 2020 mostra que as emissões de plástico só podem ser reduzidas em 79% nos próximos 20 anos se todas as soluções disponíveis hoje forem implementadas, incluindo a substituição de alguns plásticos por outros materiais e reciclagem aprimorada e gerenciamento de resíduos.

“O crescimento exponencial da produção é realmente a causa raiz do problema, e as quantidades de plásticos que produzimos até agora já ultrapassaram os limites do planeta”, diz Bethanie Carney Almroth, da Universidade de Gotemburgo, Suécia. “Se não resolvermos isso, todas as outras medidas não conseguirão atingir o objetivo de reduzir substancialmente a liberação de plástico no meio ambiente”, disse ela.

A eliminação progressiva de novos plásticos é importante
A eliminação gradual da produção de novos plásticos a partir de matérias-primas frescas deve ser parte de uma solução sistêmica para acabar com a poluição plástica, argumentam os especialistas do Canadá, Alemanha, Índia, Noruega, Suécia, Turquia, Reino Unido e EUA. Essa abordagem é apoiada pela melhor ciência disponível hoje e está de acordo com o que os especialistas políticos e jurídicos propuseram na Science no ano passado.

Juntamente com medidas para abordar o lado do consumo e da demanda do problema – como impostos – uma abordagem abrangente também deve abranger o lado da oferta, ou seja, a quantidade real de plásticos produzidos e colocados no mercado.

O corte gradual da produção de novos plásticos trará muitos benefícios sociais, ambientais e econômicos, dizem os cientistas.

Sedat Gündoğdu, da Universidade de Cukurova, na Turquia, diz: “A produção massiva também alimenta a transferência de resíduos plásticos do Norte Global para o Sul. Um limite de produção facilitará a eliminação de aplicativos não essenciais e reduzirá as exportações de resíduos plásticos”.

“Ganhamos muitos benefícios com os plásticos, mas a redução da produção aumentará o valor dos plásticos, impulsionará outras medidas para conter a poluição plástica, ajudar a combater as mudanças climáticas e promover nossa transição para uma economia circular e sustentável”, acrescenta Martin Wagner, ecotoxicologista da Universidade Norueguesa de Ciência e Tecnologia.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.